O jornalista precisa ou não de diploma?

Esta é uma pergunta sempre em pauta, eu particularmente acredito que todas as pessoas deveriam ter diploma de ensino superior, primeiro porque a Universidade abre a mente das pessoas (estou falando das boas escolas né…), não por acaso fiz duas faculdades, depois que o mercado dificilmente absorve um profissional sem formação. Portanto, o jornalista precisa sim ter diploma!

Mas não sou radical a ponto de defender que a formação seja em jornalismo. Eu fiz, amei e recomendo. Porém, conheço muito jornalista bom que fez Direito, Filosofia, Letras, Marketing… Assim como conheço muita gente com diploma de jornalismo que não sabe nem fazer a letra o com o copo, existem pessoas e pessoas, faculdades e faculdades, mas aí a discussão se estenderia e não é esta a minha intenção…

Prefiro deixar a discussão com quem entende do assunto e convidar a todos para o lançamento do mais novo livro do Sindicato dos Jornalistas do Estado de São Paulo: “Formação Superior em Jornalismo – Uma exigência que interessa à Sociedade”, amanhã (17/12), na Livraria da Vila (R. Fradique Coutinho, 915 – Vila Madalena) às 18h30.

convlivro

Blogs para procurar emprego

Procurando emprego na área de comunicação?

Indico alguns blogs que mostram ótimas vagas para estágios, trainees, freelas e vagas efetivas! A maioria é nas áreas de Jornalismo, Relações Públicas, Marketing, Publicidade e algumas vezes na área administrativa…

E se você não atua em nenhuma destas áreas, aí vai a dica! Procure blogs que mostrem vagas específicas da sua área, certamente será menos difícil achá-las!

Boa sorte!

Rede RP – http://rederp.blogspot.com/
Alexandre Sena – http://alexandresena.jor.br/linkzero/
Vencer com Pouco – http://vencercompouco.blogspot.com/
Marketing & Comunicação – http://mktcomunicacao.blogspot.com/
Repórter S/A – http://reportersa.zip.net/
RH da Madame – http://rhdamadame.wordpress.com/

CURSO GRATUITO PARA JORNALISTAS

Sempre atento às necesidades dos profissionais de Imprensa, o Instituto dos Auditores Independentes do Brasil- Ibracon, realiza, gratuitamente, nos dias 4 e 5 de novembro de 2008, das 9h às 13h, o curso de Análise de Balanço em Instituições Financeiras, especial para Jornalistas.

O objetivo da iniciativa é orientar os profissionais de imprensa na leitura das demonstrações contábeis, especialmente em instituições financeiras, enfatizando as características de balanços das empresas, de acordo com as normas do Banco Central e com as convergências às normas internacionais (IFRS).

Programa

– Processo Contábil
– Estrutura de Demonstrações Contábeis
– Introdução à Análise de Balanços – Principais Índices
– Principais Técnicas de Análise
– Convergência às normas internacionais (IFRS)

As inscrições devem ser feitas preenchendo a ficha (abaixo) e enviando para o e-mail valter@tamer.com.br

inscricao

Análise de Balanço em Instituições Financeiras
Data – 4 e 5 de novembro de 2008 (terça e quarta-feiras)
Horário – das 9h às 13h (nos dois dias)
Local – Ibracon
Av. Paulista, 2421 – 2° andar

Entrevista com Ana Paula Padrão

A última edição da newsletter Carreira & Sucesso, do site de recolocação profissional Catho, traz entrevista exclusiva com a jornalista Ana Paula Padrão. Há três anos Ana saiu da Globo em busca de mais qualidade de vida (o horário do Jornal da Globo, o último da grade, era muito difícil) e de um novo desafio profissional: remontar a redação de um telejornal que praticamente não existia, com a condição de mais para frente apresentar um projeto próprio.

Foi o que a jornalista fez, reformulou o telejornal do SBT e em seguida propôs produzir um programa semanal da emissora a partir de sua agência de conteúdo, a Touareg, que além do canal de TV tem clientes corporativos como Magazine Luiza, Vale, Sadia, Sesi e Monsanto. Sobre o assunto, ela afirma: “eu acho que hoje as coisas estão acontecendo dentro das empresas. É para lá que a sociedade vai migrar. As empresas vão ter a grande responsabilidade nos próximos anos, e é por isso que eu também estou migrando um pouco para essa área agora.”

E complementa: “Sou mais feliz no meu casamento, eu aprendo todos os dias a administrar uma empresa, fico muito feliz quando vejo que uma empresa precisa de mim, precisa do serviço que eu posso prestar, uma empresa que precisa de alguém que chegue e diga: o seu DNA é esse, a sua maneira de se comunicar com as pessoas é essa e isso tem reflexo direto na comunicação interna ou externa daquela empresa.”

Leia a entrevista na íntegra  

Ser jornalista é ir além da profissão…

Jornalista não fala – informa
Não passeia – viaja a trabalho;
Não conversa – entrevista;
Não faz lanche – almoça em horário incomum;
Não é chato – é crítico;
Não tem olheiras – tem marcas de guerra;
Não se confunde – perde a pauta;
Não esquece de assinar – é anônimo;
Não se acha – ele já é reconhecido;
Não influencia – forma opinião;
Não conta história – reconstrói;
Não omite fatos – edita-os;
Não pensa em trabalho – vive o trabalho;
Não vai à festas – faz cobertura;
Não acha – tem opinião;
Não fofoca – transmite informações inúteis;
Não pára – pausa;
Não mente – equivoca-se;
Não chora – se emociona;
Não some – trabalha em off;
Não lê – busca informação;
Não traz novidade – dá furo de reportagem;
Não tem problema – tem situação;
Não tem muitos amigos – tem muitos contatos;
Não briga – debate;
Não usa carro – mas sim veículo;
Não é esquecido – é eternizado pela crítica;
Jornalista não morre – coloca um ponto final!

Dia do Jornalista

Prá quem não sabe, ontem foi o Dia do Jornalista (um dos, porque a área é confusa até na hora de escolher a data que nos homenageia) e eu fui muito relapsa e nem postei nada que tenha a ver com o dia, mas se eu contar que ando bem confusa e o turbilhão que está passando na minha vida, tem a ver com a profissão, já fica tudo bem né? Logo eu, que sempre quis ser jornalista, não escrever nada sobre?

Que tal contar que eu desde muito pequena dizia que quando crescesse ia ser jornalista, tudo na minha mão virava microfone e todas as pessoas se tornavam entrevistados em potencial (rs), além de ser uma pentelha por estas atitudes eu ainda montava o “Jornal da Tati”, minha mãe e irmãs devem se lembrar, era um monte de sulfites grampeadas e com muitos recortes colados, embaixo de alguns ainda colocava a minha (importante) opinião sobre a figura. Pena não ter nenhum exemplar prá comprovar… Mas é sério, desde os 6 anos decidi que ia ser jornalista, até então queria ser médica, mas sangue, perdas, hospital, logo me fizeram mudar de idéia, então em um dia qualquer defini, sem muito rodeio que seria JORNALISTA quando crescesse.

E desde então cursei o primário, ginásio, colegial (sim, eu não fiz o Ensino Fundamental, nem o Médio, sou de 82, poxa vida) com a idéia na cabeça, o objetivo traçado… Em uma época até fiz aulas particulares de redação, para aprimorar a matéria que eu tirava as melhores notas. Antes disto, ganhei o concurso de redação do colégio, na 6ª série, aqui em São Paulo mesmo, no saudoso e secular Colégio São José que infelizmente fechou.

Ainda seguindo minha metas, no meio do 3º colegial, prestei UEL, Universidade Estadual de Londrina e no final do ano, só as públicas, USP, UNESP e UEL novamente. Até que fiz cursinho, o que me abriu demais a cabeça, não me arrependo nenhum pouco, foi um ano de muito estudo e reflexão, para organizar melhor meus objetivos e foi aí que eu decidi: vou fazer Letras e Jornalismo, uma vai complementar a outra, de cara entrei na Letras da USP, mas não entrei em nenhuma pública em Jornal, apenas passei em 4º lugar na Unitau, mas descartei, foi quando resolvi prestar no meio do ano Mackenzie e apesar de ter sido um curso novo da universidade, acho que foi uma excelente escola, o aluno de lá sai preparado para enfrentar o verdadeiro caos e a realidade nua e crua da nossa profissão, impressora que dá pau, edição de vídeo sem o be-a-bá de editores, na raça mesmo, trabalhos de última hora, enfim, quem quis, quem soube curtir a agitada vida que a facu oferece (e o Mackenzie em especial é perfeito nisto) e as lições que o próprio dia-a-dia nos deu, soube aproveitar tudo de bom que apareceu!!!

Parabéns aos amigos da facu, aos colegas de profissão com quem convivo diariamente, a aqueles com quem falo quase todos os dias (por e-mail ou telefone) e nem imagino como sejam ao vivo e a cores, enfim, parabéns jornalistas!!!