REVISTAS FEMININAS

Não estamos lá (É GRANDE, MAS VALE A PENA LER ATÉ O FINAL)
 
Basicamente, aquele filme sobre a vida do Bob Dylan é assim: alguns atores interpretam fases marcantes da vida do cantor. Parece que cada um construiu um Dylan imaginário. Segundo o que li, o roteiro é extremamente “surreal e criativo”, os atores estão muito bem e conseguiram transpor para a tela o caleidoscópico talento de Dylan. Bob Dylan é um cara genial. Eu gosto bastante dele! Pessoas como ele – que atingiram esse status artístico – parecem dar aos outros o direito de interpretá-las (como se fossem obras de arte na paisagem do mundo, e talvez seja isso mesmo, oras!).

Mas para que tudo isso, se eu gostaria na verdade de falar sobre o dia das mulheres? Isso sem resvalar para aquelas histórias sobre beleza e maternidade e maternidade e beleza, tão comuns nesse dia. Com o pensamento do avesso, eu fui então, folhear três revistas femininas. Fui ver como elas nos veem. A mim, minhas irmãs, amigas, às mulheres com as quais convivo; mulheres como eu e diferentes de mim, mas mulheres, enfim.

Amor e sexo

E foi assim: na Claudia eu vi mulheres quarentonas com roupas juvenis – é preciso deter o tempo! – mulheres maduras (por exemplo, a talentosa atriz Lilia Cabral está na capa desse mês) com ares sensatos e equilibrados, mulheres de menos de trinta, com deslumbrantes e coloridas roupas; vi consultorias sentimentais, emocionais, fashions, dietéticas; vi casas fantásticas e sugestões para que a querida leitora possa se inspirar e decorar a sua etc. Nada mais bonitinho. A Claudia é uma revista bonita e as mulheres lá são tão lindas, mas tão lindas, que tanta perfeição assusta. Mete medo! Penso que a mulher de Claudia, ainda que descabelada por dores, traições, filhos drogados ou empregos horríveis, será sempre bela e estará sempre de salto alto. É uma mulher de sonhos comportados, aquela de Claudia. Na Claudia, a seção “Amor e Sexo” parece definir o óbvio: sexo para as mulheres apaziguadas de Claudia, só com amor. E, caso haja arroubos, devem ser comedidos.

Já a Marie Claire consegue desarrumar um pouco o cabelo de suas mulheres; elas parecem, sei lá, mais reais. Nela, a Sandra Bullock, na capa deste mês, sorri e seus cabelos parecem levemente bagunçados, ao natural. É como se ela tivesse sido clicada em uma tarde preguiçosa. Sem saltos altos ou reuniões chatas logo de manhã. Mas isso não significa que a MC seja “melhor” que a Claudia.

Apesar de estilosas, modernas e vibrantes (e também coloridas), as mulheres da Marie Claire ainda não se parecem com as que eu conheço, digo, com aquelas que eu vejo por aí, nas ruas (bom, talvez aquelas mulheres andem apenas nos Jardins ou no Leblon; lugares que não frequento, embora tenha uma leve impressão de que nem lá elas andem). Onde estão as mulheres mulheres? Ah, sim, na MC a seção “sexo” é separada de “amor”: talvez isso signifique algo. Agora uma coisa eu preciso dizer: as matérias sobre viagens e algumas sobre lugares ou pessoas interessantes, na Marie Claire parecem mesmo mais interessantes.

O direito de ser o que somos

E a Nova, hein? Tão ousada e sensual. Aquelas atrizes da Globo ficam irreconhecíveis lá, com aqueles decotões, aquelas cabeleireiras selvagens, aqueles ares de mulheres sempre dispostas àquilo a qualquer hora. Lá não se esconde o jogo. Mulheres se arrumam, se maquiam, estudam e trabalham, viajam e fazem compras, mas o mais importante, a razão de suas vidas, a verdade absoluta que deve guiá-las é: sou bonita, gostosa e hei de sair com muitos homens! E ponto.

Pois é, e assim, entre estereótipos imaginários ou fabricados por talentosos designers – o trabalho deles é muito bom, deve ser parabenizado e isso não é uma ironia – muitas caras e corpos de mulheres ficaram pairando em um imenso oceano de imagens. E no horizonte desse mar, há toda uma indústria de moda e beleza que deixa as mulheres de Claudia, Marie Claire e Nova realmente deslumbrantes. Inatingíveis.

E no horizonte que se formou ainda há a mídia que se alimenta – reproduzindo e digerindo – disso tudo e ainda há as mulheres, leitoras do lado de cá, como eu, que talvez tentem se achar nesses mares de belezas fake e nunca, nunca, se encontram. Afinal, nós – eu e talvez você – não estamos lá. Aquilo são ideais de mulheres dispostas em quadros, emolduradas por tudo o que o mundo de agora (porque amanhã, tudo muda, este mar midiático é revolto!) considera cool.

E, diante disso, me pergunto: será que um dia seremos amadas pelo que somos de verdade, realmente, com a maquiagem borrada porque não conseguimos segurar o choro quando fomos despedidas, com os quilos a mais aparecendo sob a roupa barata, comprada em liquidação, será que temos o direito de ser o que somos para além do que qualquer revista anuncie como sendo in?

Uma “mulher de verdade”

Será que um dia, estaremos lá, de fato, de verdade, nas revistas que só nos querem se formos a imagem pré-fabricada – mitificada e vazia (há raras exceções) – da perfeição photoshopada? Somos caleidoscópicas, interessantes, criativas, doces e amargas, mas só nos querem se cabemos em um manequim 38 (as anoréxicas modelos que o digam) e uma Marina Silva, por exemplo, uma admirável mulher “fora do padrão”, que conseguiu sair numa revista feminina, para ter o direito de estar lá, teve que literalmente, mover montanhas.

Mas me resta o consolo de saber que talvez sejamos tão multifacetadas – todas nós, todas mesmo! Talvez sejamos obras de arte, ora e porque não?! – que nenhuma revista – o que são folhas com imagens impressas diante de uma mulher de verdade? – foi ou será capaz de apreender tantos matizes.

Elas bem que tentam… Pobrezinhas.

Fonte: Comunique-se – Ana Vargas em 9/3/2010

Anúncios

Saltos: a elegância feminina

Não há dúvidas de que os saltos altos promovem elegância e alongam a silhueta feminina, desde que usados de maneira correta, pois, caso contrário, podem acarretar sérios problemas de saúde.

Alguns cuidados não podem ficar esquecidos na hora de usar um salto, como: mulheres com excesso de peso ou que ficam muitas horas em pé devem evitar saltos muito altos. Para elas o ideal são os muito baixos. Para evitar dores na coluna e/ou postura incorreta, o mais indicado é começar usando saltos de plataforma e/ou quadrados. Mas, antes mesmo de colocar qualquer um deles nos pés, treine em casa mesmo. É prático e fácil: coloque um livro sobre sua cabeça, alinhe sua coluna e, nas pontas dos pés descalços, ande sem deixar o livro cair. Comece devagar com passadas curtas e movimentando os braços para se equilibrar.

Conseguiu? Agora, é escolher que tipo de salto usar:

– Luís XV ou Carretel: elegante e confortável (sua base é mais larga), tem no máximo quatro centímetros e é o coringa, pois pode ser usado com shorts, vestido ou saia e calça comprida;

– plataforma: acompanha todo o solado, distribuindo o peso do corpo por todo o pé. Confortável, esse tipo de salto vai do trabalho ao cinema e ainda tem opções em sandália e bota;

– anabela: ideal para mulheres que precisam ficar muitas horas em pé, esse tipo de salto se diferencia do plataforma por ter a base próxima aos dedos mais baixa que a do calcanhar;

– meia-pata: é a plataforma com o salto mais fino;

– quadrado: sandálias ou sapatos com esse salto são elegantes e podem ser usados com vestidos ou saias, além de proporcionarem equilíbrio do corpo e menor pressão sobre os dedos dos pés;

– agulha ou stiletto: elegante, fino, alto (pode ter até 10 cm), sexy, podendo ser sandália ou sapato fechado. Deve ser usado em ocasiões especiais, pois o uso prolongado, principalmente por mulheres que não saõ acostumadas, pode prejudicar a coluna e os joelhos;

– vírgula: versão renovada do stiletto, é o irreverente “comma”, criado pelo francês Vivier;

– cubano: confortável e estiloso, mais baixo e com salto mais grosso, é o preferido das dançarinas de flamenco e até de tango. Vale apenas lembrar que, de acordo com alguns especialistas, o uso contínuo do salto não é aconselhável em crianças ou pré-adolescentes, pelo fato de ainda estarem em formação.

Fonte: Jornal SP Oeste

As Dez Estranhezas do Acordo Ortográfico

As aulas de ortografia e acentuação não são as mesmas. Antes do Acordo Ortográfico, todos – professores e alunos – entravam “em acordo”.

Agora, estes últimos, diante das regras que são expostas em sala de aula, mostram-se apreensivos, desconfiados e, o que é pior, mais resistentes à aprendizagem da “última flor do Lácio”.
 
Diante desse cenário desafiador, cabe a nós, professores, convencê-los de que as estranhezas do Acordo Ortográfico “podem” se tornar algo corriqueiro.

A bem da verdade, “deverão” assim se tornar, uma vez que não nos restaram alternativas: a partir de 1° de janeiro de 2013, o “estranho” passará a ser oficial.
 
Em razão disso tudo, tenho sugerido em sala de aula uma espécie de “gincana”: a escolha pelos alunos das “dez mais” do Acordo.

A expressão “dez mais” significa aquele rol de palavras modificadas que têm provocado maior grau de espanto; que tem levado o usuário a questionar “será mesmo?”; que o tem instado, em suma, a duvidar de que tudo aquilo possa ser verdade…
 
Deixei os alunos opinarem, o que para nós, professores, é muito importante. É claro que o recurso pedagógico tem um bom propósito: tornar mais “leve”, com a dose certa de comicidade, o que tem se mostrado duro… “de roer”: a nova ortografia imposta pela Academia Brasileira de Letras (ABL).
 
Aproveito este momento para revelar o resultado que obtive, na última semana, em uma sala de aula de concursandos. Segue adiante a curiosa classificação, em ordem decrescente, conforme consegui apurar:
 
10° lugar
O QUE ERA…O QUE PASSA A SER…
MICROONDAS   –   MICRO-ONDAS
COMENTÁRIO: antes do Acordo, escrevia-se “microondas”, sem o hífen. Este sinalzinho apareceu para evitar “a briga” das duas vogais, separando-as, mas tem provocado maior confusão em sala de aula. Agora se escreve com hífen (MICRO-ONDAS). O mesmo fenômeno ocorreu com o ultrapassado “microônibus”, que agora cede passo à forma hifenizada “micro-ônibus”.
 
9° lugar
O QUE ERA…O QUE PASSA A SER…
ELE PÁRA PARA VER.   –   ELE PARA PARA VER.
COMENTÁRIO: no campo do acento diferencial, não mais se distingue a forma verbal “PARA” – antes, com o acento agudo – da preposição “PARA”. Agora ambas as formas são grafadas da mesma forma, sem o acento agudo que as diferenciava. Cabe ao usuário perceber, por conta própria, a função sintática dos termos e distingui-los. Que desafio! Perceba o exotismo da forma “ele para para ver”! Será que vai pegar? Preferimos “pagar pra ver”…
 
8° lugar
O QUE ERA…O QUE PASSA A SER…
AUTO-ESCOLA  –  AUTOESCOLA
COMENTÁRIO: quem quer aprender a dirigir veículos, deve agora “se guiar” bem… Não mais há hífen para AUTOESCOLA. Tenho recomendado: “tire a carteira” na autoescola e aproveite para também “tirar o hífen”…
O mesmo raciocínio se estende para INFRAESTRUTURA: antes, grafada com hífen, mas agora grafada dessa forma.
 
7° lugar
O QUE ERA…O QUE PASSA A SER…
PÁRA-QUEDAS  –  PARAQUEDAS
COMENTÁRIO: a curiosidade mostra sua força em PARAQUEDAS. Antes do Acordo, escrevia-se com o acento agudo no primeiro elemento (“pára-“) e com hífen (“pára-quedas”). Agora devemos suprimir o acento e unir tudo em PARAQUEDAS.
O problema é que isso não vale para outras situações análogas, o que seria razoável: o “pára-lama”, o “pára-choque” e o “pára-brisa” de ontem perderam o acento no primeiro elemento, mas mantiveram o hífen em PARA-LAMA, PARA-CHOQUE e PARA-BRISA. Quanta uniformidade, hein?
 
6° lugar
O QUE ERA…O QUE PASSA A SER…
ANTI-SOCIAL  –   ANTISSOCIAL
COMENTÁRIO: o hífen existia antes do Acordo no prefixo anti- quando a palavra posterior iniciava-se por -h, -r ou -s. Assim, escrevia-se “anti-social”, para indicar os seres arredios de contatos sociais. A nosso ver, tais pessoas, geralmente “estranhas”, ficarão bem mais esquisitas com a forma ANTISSOCIAL… Você não acha?
 
5° lugar
O QUE ERA…O QUE PASSA A SER…
CONTRA-RAZÕES   –   CONTRARRAZÕES
COMENTÁRIO: o hífen existia antes do Acordo no prefixo contra- quando a palavra posterior iniciava-se por -h, -r, -s ou vogal. Assim, escrevia-se “contra-razões”, ainda que se tratasse de um neológico termo jurídico, não aceito pela Academia Brasileira de Letras, no Vocabulário Ortográfico de Língua Portuguesa (4ª edição). Antes preocupávamos com o prazo delas, no ambiente forense; agora, devemos prestar atenção ao prazo e também à grafia: recomenda-se escrever CONTRARRAZÕES, sem o hífen e com a duplicação da letra -r.
O mesmo raciocínio se estende a outros prefixos, quando antecederem as letras -s e -r. Portanto, agora se escreve semissoberania e semisselvagem, arquirrival, contrarregra e contrassenso, ultrassom, entre outros casos.
 
4° lugar
O QUE ERA…O QUE PASSA A SER…
CO-AUTOR e CO-AUTORA  – COAUTOR e COAUTORA
COMENTÁRIO: as lides agora deverão ter “mais unidos” os integrantes do mesmo lado da relação jurídico-processual… Escrevem-se, sem hífen, COAUTOR e COAUTORA. Os operadores do Direito devem procurar se acostumar às formas, em plena “coautoria de esforço” para a assimilação da novidade…
 
3° lugar
O QUE ERA…O QUE PASSA A SER…
CO-RESPONSÁVEL  –  CORRESPONSÁVEL
COMENTÁRIO: aqui apareceu a “medalha de bronze”. Este é mais um caso de supressão do hífen, que deu lugar a um termo de grafia pouco estética: CORRESPONSÁVEL. Na mesma linha, seguem os termos relacionados: corresponsabilidade, corresponsabilizar, corresponsabilizante e corresponsabilizável.
 
2° lugar
O QUE ERA…O QUE PASSA A SER…
CO-HERDEIRO  –  COERDEIRO
COMENTÁRIO: os alunos escolheram a forma COERDEIRO, agora escrita sem o hífen e sem o -h, como a novidade merecedora da “medalha de prata” do exotismo… Tenho sugerido um macete: esquecendo-se da grafia imposta pela ABL, pense naquele carneirinho novo e tenro, chamado “cordeiro”. Basta escrever este nome e inserir a vogal -e entre as letras -o e -r! Descobrirá a forma recomendada: COERDEIRO. Que estranha “herança” o novo Acordo nos deixou…
 
1° lugar
O QUE ERA…O QUE PASSA A SER…
CO-RÉU e CO-RÉ  –  CORRÉU e CORRÉ
COMENTÁRIO: e, como “medalha de ouro”, houve uma unanimidade na escolha do termo mais extravagante. Todos escolheram as novas formas CORRÉU e CORRÉ. De tão diferentes, dispensam comentários. Merecem, sim, que se dê “tempo ao tempo”, a fim de que o operador do Direito possa acreditar que terá mesmo que as utilizar na lide. Paciência… Aliás, os latinos já diziam: “Com tempo e perseverança, tudo se alcança”.
 
Como se notou, a divertida “gincana” permitiu que se escolhessem as “dez mais” do Acordo, como indicadoras do sério desafio que nós, professores, estamos assumindo em sala de aula para continuar a demonstrar que Olavo Bilac tinha razão: nossa língua, apesar de “inculta”, continua a ser bela…

Fonte: Beckhauser
Publicado no Recanto das Letras

Significado dos nomes de alguns carros

De acordo com uma notícia publicada no jornal O Estado de S.Paulo de 29/6, a indústria automobilística sofre para dar nome aos novos modelos de carros, pedem-se sugestões e são realizadas pesquisas para saber qual a aceitação do nome.

Saiba quais são os significados dos nomes de alguns carros como:

Edge (Ford): limite, fronteira, em inglês. 
Amarok (VW): lobo, na língua de uma tribo esquimó do Canadá
Picanto (Kia): baseado na palavra italiana piccante, que significa apimentado.
Picasso (Citröen): sobrenome do artista esoanhol Pablo Picasso.
Linea (Fiat): linha, em italiano.
Sandero (Renault): palavra criada pela sonoridade latina.
Strada (Fiat): estrada, em italiano.
Palio (Fiat): prêmio dado em corrida de cavalos na Idade Média.
Hillux (Toyota): abreviação das palavras high luxury (alto luxo).
Logan (Renault): palavra próxima a log in, no sentido de acesso (ao mercado)
Agile (GM): ágil, em várias línguas.
Chana (marca): é uma brincadeira com o nome do país China/Chana. O Aurélio descreve como planície de savanas das regiões orientais e centrais de Angola.
Prisma (GM): feixe de luz
Eos (VW): deusa grega do sol
Fit (Honda): em inglês, tem sentido de justo, tamanho certo.
Ka (Ford): um dos elementos que, segundo os egípcios, formavam o ser humano.
Livina (Nissan): sem significado.

Como achar qualquer coisa no Google

Eu tava sumida né? Estou trabalhando muito… Mas como ouvi ontem da Gerente de Marketing da Microsoft no Brasil no curso que estou fazendo na GV: trabalhando o dobro, mas com a metade do stress!

MÓDULO INICIANTE

Para encontrar frases exatas como torta hokandesa: digite “torta holandesa” entre aspas

Palavras em uma mesma frase, porém não juntas : digite arroz*branquinho

Resultados que não contenham uma palavra: digite o sinal de menos como churrasco-gato

Só o termo procurado e não o  plural dele:  digite o sinal de + e a palavra que procura, como +coxinha

MÓDULO AVANÇADO

A definição de algo: digite define, como no exemplo define:metafísica

Palavras apenas em sites acadêmicos: digite o que procura site: edu, como no exemplo moléculas site: edu

Palavras em um site específico, como ‘cérebro’ no site da Super: digite cérebro site:super.abril.com.br

Uma palavra em um formato específico de documento, como ‘energia’ num documento em Power Point: digite energia filetype:ppt

Aguarde mais dicas de como achar tudo no Google, no próximo post…

Fonte: Super maio/2009

Palavras mais encontradas

Falta do que fazer? Prefiro chamar de curiosidade…

Resolvi olhar no google.com.br – o mais importante site do busca do momento, quais são as duas palavras mais encontradas com cada letra do alfabeto e cada número de 0 a 9.  Por curiosidade muitas marcas estão nesse ranking, no topo está o número “00” com mais de 4 trilhões de resultados, seguido da palavra “net”.  Confira:

A

amor – 220.000.000

avon – 49.500.000

B

bol – 79.000.000

barbie – 72.400.000

C

claro – 110.000.000

caixa – 56.100.000

D

disney – 198.000.000

dicionário – 14.000.000

E

extra – 625.000.000

emoticons – 63.700.000

F

ford – 322.000.000

fiat – 111.000.000

G

gmail – 235.000.000

google earth – 109.000.000

H

hp – 584.000.000

hotmail – 399.000.000

I

ig – 84.800.000

imagens – 68.700.000

J

jogos – 85.000.000

jogos de futebol – 11.900.000

K

kaspersky – 52.700.000

kelly key – 4.850.000

L

lg – 387.000.000

letras – 106.000.000

M

msn – 980.000.000

mensagens – 68.500.000

N

net – 4.610.000.000

nokia – 384.000.000

O

orkut – 48.000.000

o dia – 25.300.00

P

poemas – 18.300.000

piadas – 6.470.000

Q

quem – 658.000.000

queen – 249.000.000

R

record – 673.000.000

receitas – 12.400.000

S

submarino – 11.200.000

sbt – 7.270.000

T

tim – 299.000.000

tam – 262.000.000

U

uol – 43.900.000

unip – 5.000.000

V

vídeos – 1.580.000.000

vivo – 137.000.000

X

xbox360 – 183.000.000

xuxa – 4.990.000

Y

yahoo – 2.510.000.000

yahoo.com – 1.760.000.000

W

www.youtube.com.br – 623.000.000

wikipedia – 249.000.000

Z

zelo – 26.500.000

zap – 23.400.000

1

100video – 936.000.000

2

2009 – 2.340.000.000

3

3d – 480.000.000

4

4rodas – 19.300.000

5

5 a sec- 225.000.000

6

69 – 1.080.000.000

7

7 things – 581.000.000

8

8 de dezembro – 23.900.000

9

97fm – 79.000.000

0

00 – 4.810.000.000

Dica de blog italiano

Que tal se arriscar a ler um blog italiano de vez em quando?

Quem sabe você não se apaixona pela língua e vai estudá-la, quem já a estuda poderá praticá-la e o melhor:  ficará por dentro de muitas curiosidades culturais!!!

Ele é atualizado a cada 15 dias e é feito por um professor de italiano. Confira: http://italianocr.blogspot.com/

Olha como ele se define: “Essenzialmente un blog per appassionati: appassionati della lingua italiana, appassionati dell’Italia, della sua cultura, della sua gente”.